Capa do livro

Minha noite no século vinte e outros pequenos avanços: O discurso do Nobel

Ícone de premiado
Nobel 2017 · Literatura
Kazuo Ishiguro
twitter logo facebook logo linkedin logo

Sobre o livro

Em seu discurso proferido na Academia Sueca, Kazuo Ishiguro transmite uma poderosa mensagem de respeito às diferenças ao percorrer a própria história e, com ela, a do século XX. No dia 7 de dezembro de 2017, Kazuo Ishiguro recebeu da Academia Sueca o prêmio Nobel, distinção máxima da literatura. Em seu discurso, o escritor inglês nascido no Japão esmiúça a própria história e, com ela, a do século XX, numa mensagem tocante que termina em apelo às novas gerações. Ao revelar o impacto que a leitura de Em busca do tempo perdido teve em sua formação, Ishiguro assume o recurso de Proust como princípio compositivo de seu discurso e coloca lado a lado memórias distantes e eventos recentes, numa colagem em que as semelhanças abolem fronteiras de tempo, espaço e linguagem e fazem transparecer uma brilhante síntese do projeto literário do autor. É assim que o escritor revela, sempre com a mesma despretensão pela qual ficou conhecido, como uma canção de Tom Waits influenciou a criação de uma das personagens de seu primoroso romance Vestígios do dia. Com a disponibilidade de espírito das grandes mentes, Ishiguro encontra inspiração em formas mundanas como a comédia americana Século XX, de Howard Hawks, por meio da qual se dá conta da importância de se dedicar ao relacionamento entre as personagens, e não a elas em particular. Foi a partir dessa percepção, prosaica em sua origem, que surgiu a ideia do triângulo amoroso de Não me abandone jamais. Rememorando desde a relação com o Japão de sua infância e as lembranças da terra à qual levou décadas para voltar até uma visita a Auschwitz, Ishiguro destila uma poderosa reflexão sobre memória e esquecimento, sobre o dever de preservarmos o passado e a tarefa ― nem sempre fácil ― de seguirmos adiante e preservarmos o futuro. Comovente afirmação dos direitos e das liberdades individuais, este discurso abre fogo contra o racismo e, numa afirmação da necessidade de expandir os limites do discurso literário para abarcar mais visões de mundo, apresenta-se como um texto de valor literário que em nada deve aos romances do autor. Sua leitura deixa claro por que ele é um dos maiores escritores do século XX.

Páginas

48

Editora

Companhia das Letras

Como associado da Amazon, Livros Premiados recebe por compras qualificadas.

Outros premiados na categoria Não Ficção

Outros premiados em 2017