Capa do livro

Jaqueta Branca: ou O mundo em um navio de guerra

Ícone de premiado
Biblioteca Nacional 2017 · Tradução - Prêmio Paulo Rónai
Herman Melville
twitter logo facebook logo linkedin logo

Sobre o livro

Antes de se tornar escritor, Herman Melville, o futuro autor de Moby Dick, trabalhou como marujo em diversos navios, e adquiriu a experiência no mar na qual basearia boa parte de seus livros. Em Jaqueta Branca, um dos maiores escritores norte-americanos aborda sua última e mais importante viagem – que tem uma passagem importante pelo Rio de Janeiro, em que Melville encontra com d. Pedro II. O livro, que permaneceu inédito no Brasil por mais de 150 anos, toma o navio de guerra como microcosmo e retrata o percurso de 14 meses do maior navio da Marinha americana da época, do Havaí até Boston, contornando as Américas.No dia 17 de agosto de 1843, Herman Melville (1819-1891) embarcou na fragata USS United States, em Honolulu, no Havaí. Depois de ter trabalhado em barcos baleeiros, o jovem de 24 anos engajava-se como marinheiro do navio de guerra considerado o mais rápido da frota americana da época. A experiência como marujo durou 14 meses, marcou o fim do seu período de aventuras marítimas e o inspirou a escrever, em 1850, o livro Jaqueta Branca ou O mundo em um navio de guerra, que antecedeu sua obra mais conhecida, Moby Dick.O narrador é o marujo Jaqueta Branca, que ganha esse apelido devido ao casaco que ele mesmo confecciona para se proteger do frio, a bordo do navio de guerra, batizado no livro como Neversink. Durante o trajeto de Honolulu até Boston, onde desembarcou, Jaqueta Branca descreve as condições de vida no mar, as relações entre marujos e oficiais a bordo e cria um panorama de tipos e personagens que representam o mundo em um navio de guerra. No relato, Melville denuncia os maus tratos e abusos sofridos pelos marinheiros, sobretudo a flagelação pública. Esse testemunho influenciou a votação de leis proibindo os castigos físicos na Marinha quando a lei foi votada no congresso americano – ocasião em que Jaqueta Branca foi citado.Vários capítulos da obra são dedicados à passagem do navio pelo Rio de Janeiro, onde a fragata ficou aportada. Melville descreve, encantado, a paisagem carioca, além da visita do imperador d. Pedro II e seu séquito à embarcação, impressionado com a pompa exagerada da Corte brasileira.A tradução, de Rogério Bettoni, foi agraciada com o Prêmio Biblioteca Nacional de melhor tradução, e o livro conta com glossário de termos náuticos e posfácio da especialista Priscilla Allen, autora de um estudo clássico pela Universidade de Cornell em 1966.

Páginas

593

Editora

Carambaia

Como associado da Amazon, Livros Premiados recebe por compras qualificadas.

Outros premiados na categoria Contos & Crônicas

Outros premiados em 2017